Manifestantes das áreas da saúde e segurança invadiram o Salão Verde. Índios também ocupam os corredores da Casa

Com bandeiras do Brasil, cartazes e apitos, os manifestantes tomaram conta do Salão Verde (Adriana Caitano/CB/DA Press)
Com bandeiras do Brasil, cartazes e apitos, os manifestantes tomaram conta do Salão Verde





















A terça-feira (20) está sendo bastante movimentada nos corredores da Câmara dos Deputados. Diversas categorias aproveitaram o dia para realizar manifestações a favor ou contra as mais diferentes pautas. Por volta das 13h, aproximadamente 300 policiais militares, civis e bombeiros invadiram o Salão Verde para pedir a votação, em segundo turno, da PEC 300, que estabelece o piso salarial nacional das categorias. O protesto, que começou na Esplanada dos Ministérios se estendeu para dentro da Casa do Legislativo. Seguranças ainda tentaram impedir a entrada dos manifestantes, mas não conseguiram.

Após a invasão, o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves, aceitou receber uma comissão para negociar a saída pacífica deles e marcar uma data para a votação da proposta.

Policias militares jogaram spray de pimenta para dispersar o grupo (Adriana Caitano/CB/DA Press)
Policias militares jogaram spray de pimenta para dispersar o grupo

Saúde

Representantes de várias categorias ligadas a saúde também tentaram invandir o Congresso. Cerca de 150 pessoas chegaram a forçar a entrada pela chapelaria da Câmara, mas policiais militares atiraram spray de pimenta e conseguiram dispersar o grupo. Porém, cerca de 10 terapeutas ocupacionais tiveram acesso ao local por outras entradas e também invadiram o Salão Verde pedindo a manutenção dos vetos presidenciais da regulamentação do exercício da medicina, o chamado Ato Médico, que será votado na noite de hoje. 

Além disso, índios ocupam os corredores próximos as salas são debatidas as comissões. Grupos contra e a favor da demarcação das terras indígenas protestam entre os funcionários do local.