Removidas obras irregulares em São Sebastião e no Lago Norte

Três edificações e aproximadamente 1km de cercas foram removidas em duas operações de fiscalização do Comitê de Combate ao Uso Irregular do Solo realizadas no Lago Norte e em São Sebastião, ontem, em áreas pertencentes à Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap).



“Conseguimos flagrar o início de obras e impedir a expansão de parcelamentos ilegais (loteamentos) nessas duas regiões, que estão entre os alvos preferidos dos grileiros”, declarou o subsecretário de Defesa do Solo e da Água, da Secretaria da Ordem Pública e Social (Seops), Nonato Cavalcante.

Foram mobilizados para as operações 113 servidores de nove órgãos, coordenados pela Seops e pela Agência de Fiscalização (Agefis).

Na Chácara 19, na região do Morro da Cruz, em São Sebastião, os agentes e fiscais retiraram três edificações, uma base, uma fossa, um muro de 10 metros e uma cerca de arame farpado de 30 metros.

Houve, ainda, a descaracterização de 150 lotes demarcados com piquetes, cada fração com área aproximada de 100m².

“Vamos trabalhar para identificar os grileiros que agem na região, que poderão ser presos pelo crime de parcelamento irregular do solo”, avisou o subsecretário Nonato.

Relatório estatístico divulgado no início de julho indica que nos seis primeiros meses de 2013 foram retiradas 73 edificações em São Sebastião.

A cidade é a sétima da lista das regiões administrativas com maior número de construções irregulares erradicadas no Distrito Federal.

LAGO NORTE 

A atuação do Comitê no Lago Norte ocorreu no Núcleo Rural Córrego do Bálsamo, região próxima à divisa com o Paranoá.

A Chácara Nossa Senhora Aparecida foi o primeiro ponto fiscalizado e os agentes retiraram mil metros de cerca, além de destruir uma fossa e na Chácara Pica-Pau foram removidas as fundações de uma obra irregular.

De acordo com a Seops, as atividades de vigilância na área serão reforçadas para detectar qualquer indício de tentativa de invasão.

Postar um comentário

0 Comentários