Agro do Quadrado: Produção de grãos no DF cresce com qualidade no DNA

Cultivo de trigo, feijão e café tem se destacado na capital federal, impulsionado pelo avanço das novas tecnologias e apoio do GDF


Por Ana Flávia Castro, da Agência Brasília | Edição: Débora Cronemberger

Do cafezinho para começar bem o dia, até o clássico feijão e as deliciosas iguarias feitas a partir do trigo, é rara uma refeição do brasiliense em que os grãos não estejam incluídos. Diante da demanda, a produção desse grupo de alimentos desponta no Quadradinho, impulsionada pelo apoio do Governo do Distrito Federal (GDF) e pelo desenvolvimento tecnológico.

Trigo é uma cultura que se fortalece no Distrito Federal: a safra cresceu 272% entre 2019 e 2023 | Fotos: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

Entre as variedades que brotam na região, o trigo foi um dos produtos que apresentaram um grande salto na produção durante os últimos cinco anos. Entre 2019 e 2023, a safra da triticultura cresceu 272%, e passou de 6 mil toneladas para 22 mil toneladas.

Ainda que tenha apresentado um crescimento expressivo, o potencial de cultivo do grão no DF ainda não atingiu seu pico e deve conquistar ainda mais investidores, além dos cerca de 60 que apostam na produção do cereal atualmente. É o que aponta o engenheiro agrônomo da Emater-DF, Carlos Antônio Banci.

“O trigo é uma cultura que está crescendo na região Centro-Oeste. Ele é tipicamente de climas frios, como os municípios da região do Sul do país. Aqui no DF, temos uma condição muito boa de plantio e, atualmente, somos recordistas em produtividade do trigo, principalmente irrigado”, destaca o especialista.

Um dos diferenciais desse tipo de grão plantado no DF é um reflexo do clima da região. Como o trigo é uma cultura que se adapta ao frio, na época seca do ano – que também coincide com o período da colheita -, a planta apresenta mais resistência.

“Aqui no DF a gente não tem problemas que existem em outras regiões nesse período, como o excesso de chuva e o risco de geadas. Por isso, a gente consegue entregar uma ótima qualidade e regular o próprio pH do trigo”, diz o técnico agrícola Bruno Rodrigues

Tal característica também foi constatada pelos produtores locais. O técnico agrícola Bruno Rodrigues, 32 anos, trabalha na fábrica de sementes Três Pinheiros, no Núcleo Rural Taquara, e destaca os benefícios do cultivo como alternativa para o período de entressafra da soja, por exemplo.

“Nós decidimos plantar o trigo como uma alternativa para a rotação de cultura. A gente começa o ciclo a partir de março, e vai colher entre junho e julho. Aqui no DF a gente não tem problemas que existem em outras regiões nesse período, como o excesso de chuva e o risco de geadas. Por isso, a gente consegue entregar uma ótima qualidade e regular o próprio pH do trigo”, explica.

Além da triticultura, a produção agrícola do DF tem se destacado no mercado de grãos com outros alimentos, como o feijão, cuja produção ultrapassou a marca de 36 mil toneladas no ano passado, e a de café, cerca de 1,09 tonelada – menos expressiva, porém bastante rica em termos de variedade.

Outras vantagens

A nutricionista Rayane Damasceno, responsável técnica do Restaurante Comunitário do Sol Nascente, diz que os grãos são fonte de vários tipos de vitaminas e minerais

O consumo de grãos também oferece diversos atrativos para quem decide incluí-los na dieta. Eles são importantes fontes de energia, vitaminas, ferro e outros nutrientes considerados essenciais para uma dieta saudável.

“Os grãos são muito importantes quando se fala em uma alimentação balanceada. Pela presença de vários tipos de vitaminas, como as do complexo B, e minerais. Para ter uma alimentação saudável é fundamental ter variedade no prato, o que garante também uma qualidade de vida melhor”, explica a nutricionista e responsável técnica do Restaurante Comunitário do Sol Nascente, Raiany Damasceno.

Por lá, a prioridade é proporcionar uma refeição de qualidade tanto em termos nutricionais quanto quando se trata de sabor, e que atenda a todos – especialmente, a população em situação de vulnerabilidade. O cardápio é montado por especialistas da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes-DF).

Comida boa e que abastece o organismo é fundamental para Wesley Rodrigues, 35, que almoça todos os dias no local. É da alimentação do restaurante comunitário que ele tira a energia para cumprir o dia de trabalho como varredor do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) do Distrito Federal.

O aposentado José Bispo almoça com frequência no Restaurante Comunitário do Sol Nascente e elogia a qualidade da comida e o atendimento dos profissionais do local

“O arroz e o feijão são importantes porque são a comida do brasileiro, na verdade. Não pode faltar, pra mim, sem eles não é comida”, brinca Wesley. “Eu como um pouquinho de tudo, e aproveito para tomar o cafezinho, que não pode faltar pra quem trabalha cedo. Isso dá energia e disposição de verdade para nós”, conta.

O clássico no prato do brasileiro também é prioridade para José Bispo Celestino, 62. O aposentado não poupa elogios à alimentação oferecida no local, e almoça pelo menos três vezes na semana no equipamento público. Morador do Condomínio Gileade, ele diz que a educação e o atendimento dos profissionais que atuam no local são tão bons quanto a comida.

“Para mim, o arroz com feijão é uma coisa indispensável. Mas, eu gosto muito da comida aqui, não tem como dizer que ela não é boa. É boa total, tanto pra gente, que é mais de idade, quanto para quem é jovem. É uma comida balanceada, bem temperada, boa para todo mundo”, conta. “A nossa região está de parabéns com esse restaurante aqui”.

Emerson Tormann

Técnico Industrial em Elétrica e Eletrônica com especialização em Tecnologia da Informação e Comunicação. Editor chefe na Atualidade Política Comunicação e Marketing Digital Ltda. Jornalista e Diagramador - DRT 10580/DF. Sites: https://etormann.tk e https://atualidadepolitica.com.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem