Manejo correto para a cura do umbigo em bezerros recém-nascidos evita infecções e doenças

No parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista

Foto: André Melo.

Em épocas de estação de nascimentos, um tema importante que o pecuarista deve se atentar é a cura do umbigo nos bezerros recém-nascidos. Caso não seja feito o manejo correto, o animal pode ter diarreia, pneumonia, cistites e poliartrites – inflamações nas articulações dos bezerros –, causando prejuízos à propriedade e ao bem-estar do animal.

A explicação é do médico-veterinário e coordenador de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó, João Paulo Lollato, que esclarece o que deve ser feito nesta etapa de nascimento para evitar possíveis infecções e doenças nos animais.

O veterinário explica que o umbigo tem a função de fazer a ligação entre a mãe e o feto durante a gestação e é por onde ocorrem as trocas gasosas, de nutrientes, além da eliminação dos dejetos do feto. “No parto, essa ligação se rompe, restando o coto umbilical. Esse coto precisa cicatrizar corretamente para evitar problemas futuros como doenças e infecções”, alerta Lollato.

Passo a passo para o manejo correto da cura do umbigo

Para que essas situações sejam prevenidas, a cura do umbigo deve ser feita de maneira correta.

O especialista explica que o primeiro passo é utilizar um produto para secar esse coto umbilical. “No campo, utilizamos o iodo 10%, que tem uma eficácia excelente. Mas é importante reforçar que não basta só jogar o iodo: deve-se utilizar copos não retornáveis para mergulhar o coto na solução por cerca de 30 segundos. Ou seja, é recomendável utilizar um produto que realmente faça a queima do coto para secar essa estrutura e, a partir daí, o umbigo cairá com o tempo”.

O especialista frisa que é fundamental descartar o iodo utilizado por animal para que não haja reutilização, evitando assim a contaminação de um bezerro para outro.

Em um segundo momento, é recomendável realizar algumas medidas preventivas para reprimir problemas com os parasitas, especialmente as moscas, que depositam ovos que se transformam em larvas e bicheiras. “Neste processo, pode-se usar a doramectina injetável, que cumpre o papel de fazer essa prevenção interna, além do uso de repelente para espantar os parasitas”, explica.

Por último, Lollato relata a importância de usar a metafilaxia com antibióticos para evitar infecções posteriores a uma má cura do umbigo. O veterinário recomenda administrar em conjunto com antibiótico bacteriostático.

“Existem bactérias no organismo que são benéficas, responsáveis por formar, por exemplo, a flora intestinal do bezerro. É importante não eliminá-las. Quando se usa antibiótico bactericida, as bactérias boas são eliminadas. Isso não ocorre quando é administrado o antibiótico bacteriostático”, finaliza Lollato.

Sobre a Biogénesis Bagó

A Biogénesis Bagó, empresa líder nos principais mercados da América Latina, com projeção global, e comprometida com o desenvolvimento de soluções para a saúde e sustentabilidade da produção pecuária por meio da biotecnologia. A empresa desenvolve e comercializa produtos e serviços veterinários criados para garantir a saúde e melhorar a produtividade dos rebanhos bovinos de carne e leite. Conta com um portfólio de mais de 70 produtos e 650 registros em distintos países da América Latina, China e Ásia.

Com escritórios na Bolívia, Brasil, América Central, México, Uruguai e Ásia, sua sede está localizada na Argentina, com fábricas em Monte Grande e Garín (província de Buenos Aires). No Brasil, conta com uma planta fabril na cidade de Araçoiaba da Serra (SP).

A empresa é a maior provedora de vacinas antiaftosa do mundo, tanto que três em cada 10 vacinas antiaftosa aplicadas na América são produzidas pela Biogénesis Bagó. A capacidade anual de produção da empresa é de 400 milhões de doses de vacinas contra febre aftosa, 30 milhões de doses de vacina antirrábica e 100 milhões de doses de vacinas combinadas.

Em 2014, 2016, 2018 e 2020 foi nomeada pela revista inglesa Animal Pharm como a melhor empresa de saúde animal da América Latina.

Postar um comentário

0 Comentários