Delmasso trata do desemprego e cita a criação de "smart city" como solução



Delmasso destacou a criação de um fundo imobiliário que permitirá a construção de uma área voltada à inovação e tecnologia na Granja do Torto


Foto: Rogério Lopes.

Você sabe o que são smart cities? E por que este tema está sendo proposto pelo vice-presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), deputado Delmasso (Republicanos) ? Ao longo deste texto vamos explicar o que são as chamadas cidades inteligentes e qual sua importância para a construção de uma Brasília melhor.

Mas antes de procurar entender o que são smart cities – cidades inteligentes -, vamos fazer uma breve definição antes. Assim, vamos entender o que é uma cidade.

Parece razoável afirmar que, por definição, uma cidade é uma área urbanizada onde residem pessoas. Assim, as cidades abrigam pessoas e as atividades que essas pessoas exercem em seu dia a dia.

Logo, uma cidade é um espaço de convívio social. Numa cidade há produtos e serviços públicos e privados, infraestrutura urbana, transporte público etc.

Agora que já estamos alinhados, vamos descobrir o que é uma smart city.

O que são smart cities?
O conceito por trás das smart cities tem como fundamento o fato de que há uma desorganização natural nas cidades. Ou seja, decorrente de seu crescimento desordenado. Nas cidades tradicionais, a urbanização ocorre em grande velocidade e com pouco ou nenhum planejamento. Assim, como consequência, há um desequilíbrio entre as demandas das pessoas e a capacidade da gestão pública nos centros urbanos.

Logo, há desafios para o gestor público no sentido de prover serviços com qualidade, administrar recursos e promover participação ativa na gestão.

Por isso, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) tem uma definição para smart cities. Segundo o BID, "uma Cidade Inteligente coloca as pessoas no centro do desenvolvimento". Ou seja, incorpora tecnologias da informação e comunicação na gestão urbana, incluindo internet das coisas. Tais elementos são incorporados como ferramentas. Estas, por sua vez, estimulam a formação de um governo eficiente.

Por eficiência entende-se que engloba o planejamento colaborativo e a participação cidadã. Assim, as Smart Cities favorecem o desenvolvimento integrado e sustentável. Consequentemente, se tornam mais inovadoras, competitivas, atrativas e resilientes. Em resumo, smart cities melhoram vidas no entendimento do BID.

A União Européia tem um entendimento parecido sobre Smart Cities. Para a entidade, smart cities catalisam o desenvolvimento econômico e a melhoria da qualidade de vida por meio da interação entre pessoas.O deputado Delmasso (Republicanos) lamentou, na sessão da Câmara Legislativa desta quarta-feira (22), que o índice de desemprego no Distrito Federal tenha aumentado enquanto a economia venha demonstrando sinais de recuperação. O parlamentar chamou a atenção para o percentual de jovens brasilienses nessa situação. Por outro lado, destacou a criação de um fundo imobiliário que permitirá a construção de uma smart city [cidade inteligente] em Brasília, "que vai gerar emprego e renda".

O deputado Delmasso (Republicanos) lamentou, na sessão da Câmara Legislativa desta quarta-feira (22), que o índice de desemprego no Distrito Federal tenha aumentado enquanto a economia vinha demonstrando sinais de recuperação. O parlamentar chamou a atenção para o percentual de jovens brasilienses nessa situação. Por outro lado, destacou a criação de um fundo imobiliário que permitirá a construção de uma smart city [cidade inteligente] em Brasília, "que vai gerar emprego e renda".

"Lançado no último dia (22/09), em São Paulo, o fundo para o desenvolvimento de um bairro inteligente e sustentável teve o interesse de 40 investidores", comemorou o distrital. Smart cities é o termo em inglês para locais de inovação e tecnologia. O fundo imobiliário voltado para este fim foi apresentado pelo Banco de Brasília (BRB) e o Parque Tecnológico Biotic, Granja do Torto.

Segundo a Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap), a estimativa é abrigar 794 empresas e mais de 2 mil estações de coworking (trabalho colaborativo), com geração de 7,6 mil postos de trabalho e 9,5 mil moradores no local, que será uma smart city onde pessoas possam viver, estudar e trabalhar no mesmo local. A primeira fase de captação de recursos vai buscar R$ 1,1 bilhão, de um total previsto de R$ 6 bilhões.

Postar um comentário

0 Comentários